Estrelinha


* ESTRELINHA * – 22 de Janeiro de 2017
Infelizmente, começamos o dia e a semana com uma péssima e trstíssima notícia, e, mais uma vez, cabe-me a mim, Alexandra (Equipa do P.T.N.) a penosa tarefa de a comunicar. A nossa linda ESTRELINHA é, desde a noite de sábado para ontem, mais uma verdadeira estrela brilhante no Céu de Cão!
Depois de um dia perfeitamente normal, com bom apetite, e a energia habitual, começou a mostrar sinais de algum abatimento na passada 2ª feira, ao fim da tarde. Na 3ª feira de manhã, e a acrescer ao já referido abatimento, verificaram-se vómitos, total inapetência (algo totalmente anormal, na ESTRELINHA), e febre, pelo que foi conduzida à clínica, para ser submetida a observações. Uma vez que os primeiros exames efectuados evidenciavam uma infecção aguda, a ESTRELINHA ficou internada, para ser medicada, bem como alimentada e hidratada por via endovenosa, uma vez que continuava a recusar qualquer tipo de alimento ou ingestão de água. Embora os exames imagiológicos não apresentassem qualquer alteração relevante, surgiram, no resultado das análises efectuadas, sinais de insuficiência renal e hepática, o que determinou um estudo serológico específico, que, infelizmente, indicou a presença de títulos compatíveis com Leptospirose. Apesar da terapêutica específica logo iniciada, e da continuação dos cuidados complementares, em termos de alimentação e hidratação, a nossa querida ESTRELINHA, que, no último dia, parecia evidenciar algumas melhoras, não resistiu, afinal, e sucumbiu à violenta infecção. O caso da ESTRELINHA – único, até ao momento, em que surgiram sinais desta doença – vai determinar uma profunda reavaliação de vários factores, de forma a prevenirmos novas ocorrências de infecção pela mesma bactéria. Uma das reavaliações, será a do programa de vacinações anuais que habitualmente seguimos, e que, embora inclua a protecção contra a Leptospirose, terá, provavelmente, e se assim for determinado como conveniente pelo Médico Veterinário, dado a zona rural em que nos encontramos e o facto de os cães terem frequente acesso ao exterior, passar a ser reforçada (apenas no que se refere à protecção contra a Leptospirose) semestralmente. Outras medidas, igualmente destinadas a minorar este risco, serão também implementadas, de imediato. Entretanto, não podemos deixar de recordar, em homenagem a esta maravilhosa “cãopanheira”, que a ESTRELINHA foi resgatada, em estado gravíssimo, em Julho de 2015, numa localidade próxima daqui. Todas as evidências eram de que tinha sido vítima de atropelamento, com fuga do/a autor/a, As lesões nos membros posteriores eram tão graves, que foi necessária a amputação de um deles. Apesar das fracturas também presentes, foi possível salvar o outro posterior. Foi também removido um enorme tumor, que pendia da parede lombar, e que, felizmente, não era maligno. A recuperação da ESTRELINHA foi lenta, devido às lesões sofridas e à grande cirurgia a que foi submetida, e requereu curativos diários e contenção durante algum tempo, mas, ultrapassada essa fase, a nossa maravilhosa “cãopanheira” foi melhorando, a olhos vistos, e progredindo, de dia para dia, até alcançar um nível de mobilidade perfeitamente normal, apesar da sua condição de “tripatinhas”. Tornou-se, apesar de já não ser muito jovem, numa cadelinha muito activa, sociável, e brincalhona, além de muito meiga em relação aos humanos. Esta perda, à falta de outra palavra que melhor descreva o que sentimos, foi um tremendo choque, não só por ter sido tão rápid como inesperada, como pela sua causa, também totalmente inesperada. Foi um enorme PRIVILÉGIO, no entanto, termos, na nossa companhia e ao nosso cuidado, a lindíssima ESTRELINHA, ao longo de um ano e meio… tempo esse que, tendo sido curto demais, foi, para nós, e acreditamos que para ela também, repleto de AGORAS FELIZES!
Até sempre, querida, adorável ESTRELINHA… brilha muito, e ilumina-nos a todos, aí, no Céu de Cão!
Os teus Amigos do Parque da Terra Nova (P.T.N.)